Portal Fenajud -Fenajud participa da 106ª Conferência Internacional do Trabalho

  • Publicado: 13 Jun 2017
  • 57 Visualizações

Encontro acontece em Genebra, na Suíça, entre os dias 5 e 16 de junho. Os diretores da Fenajud, Luiz Fernando Souza, Israel Borges, Maria José e Eduardo Nunes representam os trabalhadores do judiciário estadual brasileiro. Maior evento global sobre o mundo do trabalho, teve início nesta segunda-feira (05) em Genebra, a 106ª Sessão da Conferência Internacional do Trabalho, realizado anualmente pela Organização Internacional do Trabalho (OIT). A conferência deste ano reunirá até 16 de junho mais de 4 mil membros de delegações tripartites de 187 países, com representantes de governos e organizações de trabalhadores e empregadores. Mais uma vez a reunião conta com a presença da Federação Nacional dos Servidores do Judiciário nos Estados (Fenajud) - representada por meio do presidente da Entidade, Luiz Fernando Souza; do 2º Secretário-Geral, Israel Borges; da diretora de Finanças, Maria José Silva; e do diretor Jurídico da Fenajud, Eduardo Nunes. Para o presidente da Fenajud, “A vinda dos dirigentes à Conferência tem como objetivo debater junto de outras instituições as situações vividas pelos trabalhadores no Brasil, assim como buscar viabilizar as demandas da categoria e denunciar os agravos propostos pelos atuais governantes no que diz respeito aos direitos trabalhistas e sociais”, disse Luiz Fernando. Este ano, a agenda da conferência inclui: Relatório do Presidente e do Diretor-Geral; Proposta de Programa e Orçamento para 2018-2019 e outras questões; Informações e relatórios sobre a aplicação das Convenções e Recomendações; Migração do Trabalho (discussão geral); Emprego e trabalho decente para a paz e resiliência: Revisão da Recomendação sobre a (transição da guerra para a paz) Recomendação de 1944 (nº 71.);  Discussão recorrente sobre os Princípios e Direitos Fundamentais sob o acompanhamento da Declaração da OIT sobre Justiça Social para uma Globalização Justa de 2008; Revogação de Convenções. 4, 15, 28, 41, 60 e 67.Os relatórios da OIT serão examinados e discutidos em plenário e em comissões técnicas, além disso serão realizados debates junto das delegações presentes. Representação feminina Nesta quarta-feira (07),a diretora de Finanças, Maria José, que está na Conferência para representar as trabalhadoras do judiciário estadual, participou da reunião da confederação das mulheres onde discutiu a reforma estatutária e os rumos da participação feminina nos países que falam a língua portuguesa. A OIT É chamada de Organização Internacional do Trabalho (OIT) a agência das Nações Unidas cuja missão é promover o acesso ao trabalho decente e produtivo, em condições de liberdade, equidade, segurança e dignidade. Tal agência desempenhou um papel importante na definição das legislações trabalhistas e na elaboração de políticas econômicas, sociais e trabalhistas durante boa parte do século XX. A OIT foi fundada em 1919, como forma de promover a justiça social. Em 1969, ganhou o Prêmio Nobel da Paz, e em 1998, a Conferência Internacional do Trabalho aprovou a Declaração dos Princípios e Direitos Fundamentais no Trabalho. A Declaração estabelece quatro princípios fundamentais a que todos os membros da OIT estão sujeitos: liberdade sindical e reconhecimento efetivo do direito de negociação coletiva; eliminação de todas as formas de trabalho forçado; abolição efetiva do trabalho infantil; eliminação de todas as formas de discriminação no emprego ou na ocupação. Esta é a única agência das Nações Unidas que tem estrutura tripartite, formada por representantes de governos, organizações de empregadores e de trabalhadores. São atualmente 183 estados-membros que participam em situação de igualdade das diversas instâncias da organização. A OIT mantém representação no Brasil desde 1950, prestando assessoria em diversas áreas, executando projetos de cooperação técnica, além de promover mecanismos e processos de diálogo social. -

Voltar | Versão para Impressão